20 º de 26 PASSOS PARA CRIAR A PROSPERIDADE

Transcendência e Atemporalidade


O eu interior não vive no reino do pensamento, ele habilita o vão, o espaço que existe entre dois pensamentos. Sem transcendência a vida não tem beleza. Para se viver plenamente é necessário ir além de todas as fronteiras.
Como disse um poeta sufi, chamado Rumi:

”Muito além das idéias do certo e do errado existe um campo. Nos encontraremos lá”.

Sinto que a experiência de transcendência que conquistei com prática da meditação me dá uma estabilidade e um silêncio interior que não são suplantados por qualquer outra atividade. 
O silêncio permanece comigo de modo que nenhuma experiência externa consegue toldar a percepção e a vivência do meu eu interior.

A percepção desejada deve ser atemporal, e não temporal. 

A percepção temporal ocorre quando renunciamos ao eu interior em favor da auto–imagem, da máscara social, do verniz protetor atrás do qual tentamos nos esconder. 

Na percepção temporal nosso comportamento é sempre influenciado pelo passado, pela preocupação e o temor do futuro.

Ela fica pesada de culpa e tristeza, e está enraizada no medo. Causa desgaste, envelhecimento e morte.

A percepção atemporal, pelo contrário, é a percepção do eu interior.

O sábio védico afirma: ”Não sofro pelo passado nem temo pelo futuro porque minha vida está supremamente concentrada no presente, e as respostas a qualquer situação estão aqui mesmo”.

A percepção atemporal também é chamada de estado de bem–aventurança. 

O eu interior não vive no reino do pensamento, ele habilita o vão, o espaço que existe entre dois pensamentos. 


Nele, a mente cósmica sussurra para nós, naquilo que chamamos de intuição. 
A percepção temporal está no intelecto: ela raciocina.
A percepção atemporal está no coração: ela sente.


Postar um comentário

0 Comentários