Julgar não leva a nada. 



uando abandonamos a necessidade de estar sempre classificando as coisas como boas ou más, certas ou erradas, sentimos um silêncio maior em nossa consciência.
Quando abandonamos a necessidade de estar sempre classificando as coisas como boas ou más, certas ou erradas, sentimos um silêncio maior em nossa consciência.

O diálogo interior começa a silenciar quando largamos o fardo do julgamento, o que facilita o acesso ao vão entre os pensamentos.


Por isso é importante nos afastarmos de definições, rótulos, descrições, interpretações, avaliações, análises e preconceitos, pois todos eles criam a turbulência que é nosso diálogo interior.