LIBERTAÇÃO DA SOLIDÃO - 2º DIA

Contemplo, hoje, a solidão que me deprime.Meu coração é solitário. Não tenho amor na vida. Ninguém olha para mim. Vivo sozinho.
Esta é a minha queixa.
Agora acalmo a mente, relaxo e começo a meditar: o que é a solidão? É falta de pessoas? Neste caso quem vive com outras não poderia ser solitário; quem vive no meio da multidão de uma cidade não poderia ser solitário; e quem vive sozinho seria solitário. Há, porém, tanta gente sozinha que é feliz. Conheço muitas.
Onde, então, reside a minha solidão? De que ela é feita?
Percebo que sofro de solidão quando eu não me sinto bem na minha própria companhia, isto é, quando eu não gosto de mim.
Se eu me detesto, vivo na mais escura solidão.
Se eu gosto de mim, se eu me amo, se eu me quero bem, então não sou solitário.
Quando eu estou bem comigo mesmo, então me sinto muito bem na minha própria companhia, e aí não sou solitário.
A partir de agora, quero gostar muito de mim.
Na verdade, eu fui imaginado e criado pelo maior Artista do mundo, por isso eu sou uma fantástica obra de arte.

Adoro esta obra de arte, que sou eu.

Eu tenho o dom milagroso de continuar moldando a minha personalidade e a minha vida, porque o Artista Supremo ainda está em mim e faz-me todos os reparos e acréscimos que eu julgar necessários.

A minha imaginação é o pincel de Deus.

Agora, que eu me vejo tal como eu quero ser, festejo em mim a pessoa alegre, agradável, bonita, feliz, inteligente, amorosa, comunicativa, atraente, calma, sorridente, que eu desejo ser.

Eu sou o que penso que sou.

Como eu penso que sou esta pessoa maravilhosa, de coração lindo - eu sou. Está realizado o milagre em mim mesmo.
Agora eu gosto de mim.
Onde quer que eu esteja, me sinto em ótima companhia, por isso me sinto bem.
Hoje realizei o milagre de conseguir o melhor amor para mim mesmo.

Eu mesmo.

E com todo amor se expande, como o calor, estou maravilhado de ver tanta gente agora gostando tanto de mim.
Gostando tanto de mim.
Como eu gosto de mim.

O PODER INTERIOR
LAURO TREVISAN


Postar um comentário

0 Comentários