"Deus da Seicho-no-le" é um nome simbólico e não um nome próprio, O Sei da "Seicho-no-le" simboliza o "tempo" que se desenvolve verticalmente; cho (lê-se tiô) simboliza o "espaço" que se desenvolve horizontalmente; e le é o ponto onde se cruzam o tempo (vertical) e o espaço (horizontal), constituindo o Universo. Logo, "Seicho-no-le" é o Universo. "Deus da Seicho-no-le" é, portanto, um nome simbólico com que designamos Deus que rege o Universo.



Deus é Onipotente e Onipresente. Isto quer dizer que Ele pode manifestar-se assumindo diferentes aparências em diferentes lugares, ao mesmo tempo. Deus é também Amor. Para salvar diferentes povos de culturas e épocas diferentes, manifesta-se sob diferentes aspectos, de acordo com cada circunstância. No budismo, o Deus da Seicho-no-le manifesta-se como Avalokitêsvara; no cristianismo, aparece como Cristo Eterno, de "cabelos brancos como neve", e que vive "pelos séculos dos séculos", referido no Apocalipse; no xintoísmo, aparece como Deus Sumiyoshi, Deus Shiotsuchi ou Deus Watatsumi (do Reino Absoluto, fonte da criação).

A propósito, esse Reino Absoluto é a Fonte donde todas as coisas boas se originam e se concretizam no mundo fenomênico. É a dimensão onde há tudo. Por isso, quando penetramos nesse Reino Absoluto, não há nada que não possamos obter. E o Shinsokan é a "Arca transcendente ao Tempo e ao Espaço", que nos conduz a esse Reino. Através dele, "eu deixo o mundo dos cinco sentidos e entro no Mundo do Jisso (Reino Absoluto, onde tudo já está realizado)".



365 ITENS PARA ALCANÇAR O IDEAL - Vol 1

Masaharu Taniguchi