Os pais jamais se esquecem de seus filhos, por mais que estes se esqueçam daqueles. Os pais estão sempre a velar pelos filhos com todo amor e carinho.
O mesmo acontece na relação entre Deus (Pai Espiritual) e o homem (Filho de Deus). 
Há, porém, uma diferença entre o pai carnal e o Pai Espiritual: enquanto que o primeiro pode
muitas vezes estar longe, o segundo está sempre dentro do filho.
E esse Deus que se aloja no interior do filho" é o "verdadeiro Eu". Em outras palavras, o Pai e o filho são um só corpo. 
Por isso Jesus disse: "Eu e o Pai somos um" e também "o Pai que permanece em mim, faz as suas obras",
O "Pai do Céu" é o "Deus do nosso interior", pois "o Reino de Deus está dentro de nós". Em termos budistas, é a "Natureza Búdica do nosso interior", Sakyamuni disse: "Todos os homens, sem exceção, possuem a Natureza Búdica".
Essa "Natureza Búdica" é o nosso "Jisso", perfeito desde o princípio. Não é o "filho do pecado" ou o
"medíocre maculado de pecados" (conforme referência budista) que irá atingir a perfeição através da fé. 
A Natureza Divina (ou Búdica) Interna, perfeita desde o princípio,  é que se manifesta em forma de fé e realiza a perfeição. 
Por isso disse o grande mestre Shinran: "A fé é a manifestação da Natureza Búdica, e a Natureza Búdica é o próprio Buda". "Não sou eu próprio quem invoca o nome de Amitabha; é o `Pai do Céu' (Natureza Búdica) que, estando em mim, permite-me realizar a obra da invocação de Amitabha".


365 ITENS PARA ALCANÇAR O IDEAL - Vol 1